Budapeste em voo direto a partir de Setembro

W6_B

Prestes a celebrar 1 mês de operações no aeroporto Francisco Sá Carneiro, a Wizz Air anuncia agora uma nova rota: Budapeste. A ligação direta com a capital húngara arranca a 4 de Setembro com 2 frequências semanais (4ªf e Domingos) e equipamento Airbus 320 com 180 lugares.

Budapeste é um dos destinos emergentes da Europa, tanto para lazer como para negócios, e uma excelente base para deslocações às restantes cidades Húngaras. No sentido contrário, Portugal é um destino cada vez mais atrativo na Hungria e o Porto uma boa base para ligações ao resto do país, nomeadamente a Lisboa, Algarve e às ilhas. O perfil e o volume de procura estão quase a par dos apresentados pela ligação a Varsóvia, inaugurada em Maio, pelo que os desafios e as expectativas são os mesmos da conexão polaca.

Com as duas rotas anunciadas este ano, a Wizz Air replica os passos iniciais que deu em Lisboa no ano passado. A capital tem uma procura mais forte, madura e diversificada para o Leste da Europa, no entanto, e acautelando esta diferença, será interessante acompanhar se a evolução futura da companhia no AFSC continua a reflectir a evolução passada na Portela ou se segue um outro rumo.

W8_A321_HA-LXO
Foto tirada por Andras Kisgergely
Porto – Budapeste
De A Frequência Partida Chegada Nº voo Equipamento
04 Set. – – – – – – 3 – – – 7 10:10 14:35 W6 2396 Airbus 320
Budapeste – Porto
De A Frequência Partida Chegada Nº voo Equipamento
04 Set. – – – – – – 3 – – – 7 07:10 09:35 W6 2395 Airbus 320

_________________________________________________________________

1-Segunda-feira    2-Terça-feira    3-Quarta-feira    4-Quinta-feira    5-Sexta-feira    6-Sábado    7- Domingo

31 comentários em “Budapeste em voo direto a partir de Setembro”

    1. Sandra, se a TAP tivesse um pingo de juízo, reabria ela a rota com um dos “novos” E190 que anda a receber da azul, fazia assim um bocadinho de publicidade positiva no aeroporto que bem precisa.

    2. Só se for a EasyJet. Não vejo a Ryanair a querer apostar muito nesta rota. Mas que realmente faz falta faz….
      Agora a TAP também voa do Porto para MXP e Menorca às vezes ….

    1. Também preferia Glasgow, mas porque tenho quase a certeza que assim acabe o dinheiro em Vigo, Edimburgo vem direitinho para o Porto.

    2. A questão é… Será que o dinheiro em Vigo acaba? O aeroporto sempre foi um bastião político dos políticos de vigo

    3. Não quero entrar em grandes detalhes, mas sim, o contrato que eles assinaram com a Ryanair não é renovável e portanto garante que o dinheiro vai acabar.

    4. Pete, isso quer dizer que a Ryanair pode transferir o mercado de Vigo para o Porto ?

    5. Pete, o que eu queria dizer (pelo que li dos comentários anteriores), é que se fechou a torneira dos subsidios dados por Vigo à Ryanair, se a Ryanair poderá descontinuar alguns voos de Vigo e passa-los para o nosso AFSC (p.ex. os voos para a Escócia) ?!.

    6. miguel o que o pete diz (percebo eu) é que quando os contractos atuais caducarem mais provável é que essas rotas passem para o porto já que tem mais massa critica que Vigo para as manter sem subsídios pontuais.

    7. Obg, Nuno Pinheiro !. Era exactamente essa resposta que eu queria !. E quando é que esses subsídios, dados à Ryanair, pela província de Vigo, acabarão ?. Está para breve essa cessação dos subsidios ?

    8. Exactamente, é mais ou menos o que o Nuno disse. O contrato que acaba no final de 2018, mas este ano acaba um outro contrato com outra companhia e já vai dar para perceber qual será o procedimento futuro.

  1. Agora só falta um voo directo para VIENA, para ficarmos com as 3 cidades imperiais de Leste, ligadas ao Porto !. E pelo que li no Routeshop, é uma rota desejada !.

    1. Viena, a partir do Porto, já é um mercado com números interessantes. Em volume é quase tão grande como Budapeste e Varsóvia juntos, eventualmente vai aparecer.

      De resto, parece-me que a nível de novos destinos as melhores oportunidades estão mais perto: Sevilha/Málaga, Bilbao, Casablanca, Argel, Nice e Veneza, possivelmente Córsega e Escócia.

    2. Quando diz que Argel é uma boa hipótese, penso que esteja a falar da Air Algerie pois acho que a TAP não deverá fazer essa rota.

    3. Pete,das rotas que referiste,acreditas em alguma para o Inverno? Ou agora só lá para o verão 2017?

    4. Nem estava a pensar em nenhuma companhia em particular, mas sim, no caso de Argel teria que ser com a Air Algerie.

      Serv, geralmente não espero novas rotas no Inverno. A altura ideal é sempre o Verão.

    5. Pete e as rotas Birmingham ou East Midlands, poderão aparecer para breve ?!.

    6. Não sei Miguel, não vejo nenhuma companhia candidata a essas rotas. Pessoalmente preferia que Manchester crescesse, acho que faz mais sentido e é mais atractivo do que estar a atomizar com tão poucas frequências.

  2. Grande noticia!

    A wizz air a entrar a bruta aqui no Porto,em breve eu acredito que a Europa de Leste vai-se abrir ao Porto.

    1. Entraram como em Lisboa, mas com menos frequências. Apesar de tudo são só 4 voos por semana, o que anualizado deve dar para aí 0,5% do total do aeroporto… é bom porque depois de Praga eram os principais mercados do Leste, mas também não é para grandes euforias.

    2. Eu sei que não é para grandes euforias…Mas é um começo,sempre é melhor do que o que tinhamos antes. Praga,Varsóvia e Budapeste,já começa a ser criada uma malha,pequenina,fraca,mas eu acredito que em breve vai aumentar e consolidar-se.

      E o facto de termos a Wizz Air a acreditar no Porto também é um ótimo sinal

    3. Mesmo assim vejo-te muito optimista. Repara que mesmo Lisboa tem pouca cobertura do Leste, para além de Praga, Varsóvia e Budapeste só tem Bucareste, Sofia e Chisinau por causa da emigração, e Moscovo. Os voos estão quase todos concentrados em Praga, Varsóvia e Budapeste, e mesmo assim, se não fosse a TAP e as ligações, provavelmente só Varsóvia aguentava diário.

      Se Lisboa, que leva anos com voos directos + ligações, têm dificuldade em expandir-se naquela zona, imagina o Porto que só está a começar agora e é só ponto-a-ponto…

    4. Sim, mas também não podemos deixar de analisar a tipologia de oferta. Ter uma oferta wizz e bem diferente de ter oferta TAP.

      Se conseguirmos consolidar a oferta nos próximos 2 anos (triplicando a oferta de arranque) ja seria um bom sinal. Confesso que não vejo uma margem muito grande para abrirem novas operações no curto prazo.

    5. João, nem é tanto a questão da tipologia, é mais o facto de eles terem uma companhia que trabalhou o mercado durante anos e anos, muito provavelmente aguentando perdas avultadas mas ajudando muito ao seu desenvolvimento.

    6. Não tinha ideia da situação de Lisboa. Obrigado pela informação!

      Quando nos faltam rotas como Bilbao e Sevilha/Málaga entendo o porquê de seres ceptico quanto a estas rotas mais longas. Mas eu acredito que estas rotas vão crescer a um bom ritmo,devagar mas vão crescer. Estas rotas só estão a responder a atual procura. E com low cost tem sempre tendencia a criar mais procura

    7. Nem é por faltarem as rotas curtas, é por faltar procura para outras rotas mais longas. Digo é que, olhando para as oportunidades existentes a nível de novas rotas, as mais interessantes que vejo estão perto e não tão longe.

Os comentários estão fechados.